sexta-feira, 28 de outubro de 2016

[TEXTO] Sentir sua falta

Eu não consigo dormir e eu sei que você também não consegue, a gente lembra bem das madrugadas que viramos conversando sobre absolutamente nada importante. Ainda é assim, não é? Seus monstros continuam embaixo da sua cama prontos pra te pegar assim que você fechar os olhos. Eu tenho mais monstros depois de você, porque eu vivo recordando as lembranças mesmo que eu não me importe mais com elas - você me ensinou a não me importar.
Eu me estraguei toda depois de você. Eu tingi o cabelo de preto, comecei a vestir cores mais sóbrias, deixei de lado a maquiagem e apaguei todo o brilho que demorei pra conquistar desde o último grande estrago que tive, tudo isso pra me adaptar as suas manias, pra te fazer feliz. Mas no fundo você sabe que a luz toda que eu irradiava era o que te atraía de verdade, quando eu me tornei exatamente aquilo que você julgava perfeito você me descartou por não me reconhecer mais.
Você se estragou todo depois de mim, começou a andar rápido como se sempre estivesse atrasado, ficou preso a pensamentos sem nexo em vez de focar no que realmente importa e se rendeu as coisas que mais te destroem. Você tinha medo de me perder e se perdeu, eu não tinha medo de te perder e te perdi.
Depois dessas reviravoltas você ainda me mandou um Oi madrugada passada só pra dizer que estava sem sono, como se eu não soubesse o motivo, como se eu não te conhecesse tão bem. Eu sei que a gente não se ama, mas a gente não consegue dormir. E às vezes o meu motivo de não conseguir dormir é porque existe um monstro novo pra me assombrar: sentir sua falta.

(Jenifer Alana dos Santos)

terça-feira, 4 de outubro de 2016

[POEMA] Reflexos

Tomada por uma súbita loucura
Corre, olha-se no espelho
O sangue em suas veias borbulha
Vê-se as faíscas no olhar do reflexo

Quem a confronta? 
Não se reconhece mais
No confronto percebe
Seguir tanto em frente deixou-a para trás

As borboletas ainda mortas na parede
O coração ainda gélido
Os olhos nos olhos que não se encontram
Não imaginaria seu futuro tão fétido

Quem é esta imagem refletida - repete em pensamento
Perdeu a essência, a ânsia da busca pelos sonhos
Destruiu todas as pontes que lhe foram ofertadas
Agora a antiga sonhadora vive embaixo de escombros

Quem a confronta?
As lágrimas não caem mais
No confronto percebe que o sorriso que traz agora
É fruto da perda de seus ideais.

(Jenifer Alana dos Santos)

Ps.: acho que vou mandar pro concurso de poemas, que acham?