sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

[TEXTO] Ódio próprio

Eu queria poder explicar o significado desse aperto no peito que eu tenho às vezes, não que eu ache que ele irá embora se eu encontrar explicação, mas eu queria entender, mas eu queria tanta coisa que não tenho.
Eu queria uma casinha perto do praia pra viver sossegada sentindo a brisa que vem com o mar, eu queria um emprego onde todos os dias eu fizesse o que eu gostasse, eu queria estudar algo pelo qual eu fosse fascinada! Eu queria cantar todos os dias pra espantar toda tristeza, eu queria uma música que não lembrasse o passado, eu queria deitar no travesseiro e pegar no sono assim que eu deitasse. Eu queria dois filhos, eu queria escrever um livro, eu queria um lar e um amor verdadeiro, eu queria um jardim pra eu cuidar.
Eu queria tanta coisa agora que eu não queria antes. Eu queria tanta coisa agora que eu sei que amanhã pode ser que eu não queira mais... Eu queria escrever um texto bom pra vocês lerem, mas até disso eu já me cansei.
E eu odeio me cansar das coisas tão rápido assim, odeio ser essa pessoa que eu sou algumas vezes. Odeio não ter um rumo em que eu saiba minha localização ou o meu propósito, odeio não ter ninguém do lado pra conversar, odeio não me importar com quem está do lado. Odeio essa autossuficiência que eu criei pra não me machucar. Eu quis me proteger das pessoas sem olhar no espelho e perceber que meu próprio monstro sou eu.

Ps.: Nem meditar ajudou, eu odeio essa desestabilização.

(Jenifer Alana dos Santos)

sábado, 12 de dezembro de 2015

[INDICAÇÃO] Bandinhas pra vocês!

Oi gente!
Queria deixar duas bandas super legais pra vocês darem uma pesquisada, eu tô gostando bastante das músicas que baixei e queria compartilhar com vocês :)

A primeira delas é a Halestorm, que ouvi há um tempo mas foi uma ou outra música; como eu estava carente de bandas novas, fui procurar algum álbum deles, baixei o Into the Wild Life e tô adorando! Não procurei muito sobre a banda porque tô infinitamente sem tempo, então me perdoem por isso.


A segunda banda é a The Avett Brothers, que é o oposto da Halestorm, já que Avett Brothers é mais calma, um som mais sossegado de ouvir. Essa banda me foi apresentada por uma amiga e também não paro de ouvir.


Bom, divirtam-se e curtam bastante! Depois me contem o que acharam já que vocês nunca aparecem aqui. 
Beijo ;)

(Jenifer Alana dos Santos)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

[TEXTO] Eu tentei escrever sobre felicidade

Ás vezes eu me pego pensando no que tanto me inspira a escrever. Eu costumava não saber escrever sobre coisas felizes porque eu acreditava que minha vida não era feliz até eu perceber que felicidade não é necessariamente uma constância. Eu não vou te dizer o significado de felicidade porque é algo que vêm de dentro de você e não se explica, como se pra cada um fosse uma sensação diferente; assim como o amor, o ódio, a tristeza... para alguns, felicidade é quando dá tudo "certo", para mim, felicidade é quando eu ando na rua e de repente me vem uma alegria que só eu sinto, uma energia boa que deixa o meu andar diferente e o meu olhar mais bonito sobre as coisas.
Eu não sou completamente feliz, nem quero ser. Não quero perder essa sensação de achar o dia mais bonito, de respirar aliviada... eu adoro estar feliz, mas eu não saberia aproveitar a felicidade se eu não soubesse quão profunda a tristeza pode ser.
Ás vezes eu me pego pensando no que tanto me inspira a escrever. A energia de casa acabou e um texto começou. A energia voltou e eu perdi o rumo de onde eu tava. Não é uma metáfora, pode rir.
Eu só sei que de alguma forma eu entendi que não preciso estar feliz e calma o tempo todo, eu aprendi a respeitar a mim e as minhas inconstâncias. Eu entendi que paz está dentro de mim quando eu aceito que tudo acontece da melhor maneira mesmo quando essa maneira não me agrada tanto. Eu quero dizer que nem sempre é sol todo dia, ás vezes chove também, e faz parte do clima e do tempo (se é que vocês me entendem). Eu sorrio. eu desespero, mas o que é a vida se não esse turbilhão de incertezas, alegrias e tristezas?
Ps.: só consegui terminar o texto depois que a luz acabou e eu escrevi ele no papel à luz de velas, queria digitalizar de tão bonitinha que ficou minha letra haha. Um beijo pra vocês e boas energias~~~

(Jenifer Alana dos Santos)

*credite se compartilhar, e DIVULGUEEEEEM

domingo, 22 de novembro de 2015

[POESIA] Arrependimento

Peço desculpas
Aos amigos quais prometi não fazê-lo
Mas aos prantos estou
E nem rimar sei se consigo mais

Peço desculpas
À conselheira que me dizia para não chorar
Mas boba eu sou
Penso que com lágrimas faço a dor passar

Peço desculpas
À mim mesma qual vejo
a auto estima baixar,
mais uma vez falhar
e se deixar machucar

Peço desculpas
Ao coração que tanto bateu
E não conseguiu segurar
Deixando-se quebrar

Peço desculpas
Ao destino, por não saber aproveitar
E ao universo que conspirou
mas não deixou durar

Peço desculpas
Mesmo sabendo que nada adiantará
Dormir eu vou, chorando estou
E sei que amanhã, amanhecerá.

(Jenifer Alana dos Santos)

Queridos, fiz esta poesia pro concurso do Bernardes, mas não passei pra votação então de certa forma, que maravilha, pois posso postar aqui logo! :) ps: chorem

sábado, 14 de novembro de 2015

[TEXTO] Eu não sei que nome dar, tô sempre cheia de perguntas

Me pergunto quando foi que o ar virou fumaça, quando foi que o buque virou apenas flores mortas, que a vida virou sobreviver. Me pergunto quando foi que o céu passou de azul a ser nublado o tempo todo, quando foi que as estrelas sumiram, me pergunto quando foi que a terra ficou seca e quando foi que o coração deixou de bater.
Eu me pergunto quando foi que o cheiro virou náusea, me pergunto quando foi que o choro virou só água salgada, me pergunto onde foi parar a realidade.
Eu me pergunto quando foi que a água virou lama, quando foi que pessoas viraram apenas corpos, quando foi que o coração virou pedra e quando foi que se perdeu a razão.
Eu me pergunto quanto tempo ainda temos e se sobreviveremos para ver um final. A única resposta que tenho é que finais felizes ainda estão apenas na imaginação. Estamos caminhando em frente mas em direção à um abismo.
" Por favor, me dê algo, estou tão sedenta, estou tão sedenta... Oh, por favor, me deixe avisá-los, não venham aqui, não tragam ninguém pra cá."

(Jenifer Alana dos Santos)

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

[TEXTO] Ele

É porque o coração bate mais forte, é porque eu não enxergo mais ninguém do meu lado, é porque eu não tenho vergonha de gritar pro mundo que eu achei minha outra metade, é porque eu sempre achei esses textos melosos uma droga mas hoje eu tô escrevendo um.
É porque eu não me importo com o que os outros vão pensar, é porque o dia do lado dele parece mais claro mesmo quando é noite, é porque eu sempre me canso de tudo mas dele eu sempre quero mais, é porque eu sou eu mesma quando estou com ele, é porque os braços dele são o melhor porto seguro que eu pude achar e é porque todo cliché é lindo quando se trata do meu amor.
É porque eu só sei falar dele, é porque eu só sei pensar nele, é porque eu sonho com ele. É porque o motivo do sorriso que levo é ele, porque os sonhos que tenho são ao lado dele. É porque é ele e ninguém mais.

(Jenifer Alana Santos)

sexta-feira, 24 de julho de 2015

[TEXTO] Meu nome é felicidade, e fiz 19

Bem, talvez o mundo seja bonito da maneira que ele é, cheio de feiuras e imperfeições. Eu tenho todos os motivos do mundo pra reclamar da vida, mas eu não consigo, porque apesar das coisas que perdi e me foram tiradas, eu só tenho a agradecer pelos presentes que ganhei ao longo desse processo de desintoxicação.
Ontem foi meu aniversário e há uns dois anos eu receberia os parabéns de pessoas que eram importantes; eram. E não vou negar que recordo, mas é inútil, pois não me faz feliz nem deixa triste.
Hoje, apesar dos olhos lacrimejados, eu respiro aliviada porque sei que a presença de alguns amigos, por mais que importante, não é necessária, sabendo que os que fazem diferença estão do meu lado mesmo que não seja fisicamente e que a vida compensou me dando alguém pra amar, estar do meu lado e me fazer feliz.
Eu fiz 19, não faz diferença, só sei que o tempo passa, eu quero alguma coisa na minha vida e reclamar ainda não resolve os problemas. Me diz em que mundo eu me perdi que quero fazer mais gente se perder comigo. Eu falho, eu choro, eu rio. Só não me deixe afogar.

(Jenifer Alana dos Santos)

Sdds blog, sdds..

sábado, 27 de junho de 2015

[TEXTO] Sobre não saber meu lugar no mundo

Eu tô parada há um século esperando algo leve na minha vida. Essas coisas não tem hora certa pra aparecer e infelizmente somem nas horas em que você mais precisa. Vez ou outra eu arrumo algo pra me distrair, mas não dura muito tempo porque eu canso fácil das coisas, das pessoas, dos lugares... e eu me sinto extremamente cansada de tudo.
Quando uma situação começa a me sufocar eu começo a reprimir os dias, como se eu estivesse vivendo num transe em que eu nunca sou despertada até que eu tome uma atitude. Talvez essa seja a forma da minha consciência operar ou rejeitar.
E é nítido que não sei lidar com essa situação. Eu até acho que sou meio mimada, eu gosto das coisas do meu jeito e sob o meu controle mas eu me acomodo e me calo quando eu não gosto do que está acontecendo. Essa forma de sentir e sofrer sozinha só aumenta minha explosão. Eu sei que eu deveria falar, mas eu não consigo e é aí que fico revendo a situação a cada cinco minutos e me perguntando se vale a pena viver assim.
Eu sei que não vai longe, uma hora uma simples brisa pode me fazer soltar um furacão, e aí já era. Eu acabo comigo porque eu não sei aceitar o que eu sou.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

[TEXTO] O amor

Eu já vejo as nuvens carregadas chegando. Eu adoro o clima, ele me traduz tão bem. Tanto que por sinal como a chuva que veio em seguida, eu caí também. É tão bom estar apaixonada, as borboletas no estômago, a respiração descontrolada, o rubor que vem de repente...
O amor é aquele "oi" que você escreve igual mas lê diferente, é aquela cor específica em meio a tantas no por do sol que você acha mais bonita, é ter um sorriso na sua memória, que ao vir a tona te faz sorrir também. O amor é aquele café que você toma todas as manhãs só que mais doce, é quando você nota aquela flor no caminho, que sempre esteve ali, mas só agora desabrochou.
O amor é aquilo que te tira o sono, mas te faz querer dormir só pra sonhar. É aquela alegria irritante que aparece ao acordar, ou aquele "bom dia" sincero. O amor é aquele travesseiro macio depois de um dia cheio de trabalho, é aquele feriado prolongado que você não esperava.
O amor é ter um céu cheio de estrelas e só enxergar uma. É saber que há alguém que no meio de tanta tragédia, te faz ver o dia mais bonito, é aquilo que te faz viver. O amor é no fim das contas, tudo. Tudo aquilo que você não sabe explicar porque é bonito, apenas sentir.

(Jenifer Alana dos Santos)

domingo, 22 de março de 2015

[INDICAÇÃO] Céu Âmbar

Queridoooos e queridaaaas, postagem rápida para declarar meu bom humor nada habitual (ainda mais no domingo) e para indicar a fofa da Karen do Céu Âmbar que escreve coisas lindíssimas no blog dela. São contos, poesias e até músicas! Fiquei de indicar ela há um tempo e agora que o blog dela tá bombando de postagem tomei vergonha na cara pra postar.


Bom, sejam bonzinhos e fucem MUITO o blog dela por vale muito a pena. Ela escreve coisas maravilhosas. Fiquem com uma poesia que roubei lá do Céu Âmbar só pra confirmar que vocês tem que visitar e ler mais coisas dela.


Encerrei-me dentro de minha pele,
vivi segundo a norma estabelecida
de que somos quem nascemos e fim.
Mas quem nascemos? Quem nasci?

Foram postos sobre mim lacres
e minha natureza foi calada, negada.
Diziam “seja você” por cordialidade
e gritavam “mas que não nos desagrade!”

Nada é eterno, nada é de total rigidez,
não sobre algo tão infinito.
A alma é a mesma, não importa a forma
mas a forma não é a mesma contra a alma.

Uma alma presa dentro de um corpo,
um invólucro de morais e leis
que não atendem a sua simplicidade.
Existe algo mais sem normas do que a natureza?

Se exalta a tal nascença e natureza,
entenda que nasci sem normas,
que elas não fazem parte de mim,
não posso ser igual por norma.

Tenho vontades que rompem a pele,
anseios que quebram lacres,
minha natureza rebelde contra sua ditadura.
Nasci algo que você não pode ver se ignora.
(Karen Barlati Arantes)

sábado, 21 de março de 2015

[TEXTO] Melhor não ler

Depois de umas certas e constantes recaídas, eu passei a me mover por uma força de pensamento que diz que o sofrimento é inútil já que não resolve os problemas. Chorar não paga as contas ou compra aquele sonho que vc tem. Se lamentar não vai fazer você chegar a lugar algum. Coisas desse tipo que funcionam na maioria da situações e tornam você uma pessoa mais forte.
Minha ex patroa costumava dizer "para de chorar" e quando eu fui embora da cidade ela me deu um sermão que funcionou por meses, e eu superei cada obstáculo.
Até hoje, até eu descobrir que chorar - de ódio, que seja - adianta pelo menos pra te livrar um pouco do peso que é viver sem ter um objetivo.
De que adianta viver sem um propósito ou uma finalidade? Tendo que ultrapassar cada vez mais obstáculos que não te levam a um lugar diferente do que o que você já espera. No fim das contas a gente morre sem ter feito nenhuma diferença no mundo, ninguém lembra da gente ou das vitórias ou derrotas que tivemos. A vida é inútil e esse texto é só pra te deprimir. Você não tem motivo nenhum pra viver e você é inútil o suficiente pra acabar com essa situação, seja pra sair dela ou melhorá-la. Boa vida.

(Jenifer Alana dos Santos)

domingo, 1 de março de 2015

[TAG] Uma só palavra

Bom, minha segunda tag com uma ótima notícia: voltei ao mundo da internet no computador, ou seja, mais postagens, mais divulgação e mais ação - mesmo que agora eu esteja trabalhando e meu tempo esteja limitado.
A tag é bem simples, e o objetivo é responder algumas perguntinhas com apenas uma palavra. Vamos lá?






Perguntas:

1. Onde está seu celular? Mesa
2. Seu parceiro? Morreu
3. Seu cabelo? Vermelho
4. Sua mãe? Linda
5. Seu pai? Exemplo
6. Seu objeto preferido? Livro
7. Seu sonho da noite passada? Esqueci
8. Sua bebida predileta? Não tenho (ops, duas)
9. O carro dos seus sonhos? Caminhonete
10. O quarto onde você está nesse momento? Salinha
11. Seu ex? Quem?
12. Seu medo? Mariposas
13. O que você deseja ser em 10 anos? Alguém
14. Com quem você passou a noite passada? Sozinha
15. O que você não é? Mentirosa
16. O você fez por ultimo? Quando?
17. O que você está usando? Roupas
18. Livro predileto? Alasca
19. A ultima coisa que você comeu? Canjica
20. Sua vida? Boa
21. Seu humor? Ótimo
22. Seus amigos? Longe
23. Em que você está pensando nesse momento? Alguém
24. O que você esta fazendo nesse momento? Tag
25. Seu verão? Cansei
26. Oque está passando na sua TV? Sl
27. Quando você sorriu pela ultima vez? Há pouco (ops, 2 dnv)
28. Quando você chorou pela ultima vez? Há semanas (ops, blablabla - é difícil)
29. Escola? Saudade
30. O que você esta escutando nesse momento? Lupe de Lupe
31. Atividade predileta dos finais de semana? Dormir
32. Profissão dos seus sonhos? Jornalista
33. Seu computador? Bonzinho
34. Do lado de fora da sua janela? Nuvens
35. Cerveja? Não
36. Comida mexicana? Não
37. Inverno? Amo/Saudade/Vem logo/Ta demorando
38. Religião? Cansei
39. Ferias? Longe
40. Em cima da sua cama? Travesseiros
41. Amor? Desisti


E aí gente, deu pra passar o tempo?

Até ;*

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

[TEXTO] Pular, empurrar e ser empurrada

Estou nos limites do abismo. Se der um passo à frente, eu cairei ao dar um passo para trás.
Você veio e tirou a cor do meu batom, colocou brilho nos meus antigos olhos foscos, amaciou meu duro coração e te ver me dá náuseas, eu fico rindo à toa e acho que sei o que são borboletas no estômago. Eu me sinto uma garotinha saltitante. Quando eu acordo do seu lado o dia fica mais claro apesar das nuvens de chuva lá fora.
Mas o eu te amo ainda assusta, e viver assim não faz sentido. Se você der um passo à frente, eu prefiro pular.
Eu ainda tenho as cicatrizes que você insiste em ignorar. Se eu te contar a verdade, você vai implorar por uma mentira. Eu tenho mágoas veladas e medo. E se você der um passo à frente e eu ameaçar pular e você me segurar, eu só vou querer ir mais fundo e mais longe de você.
Eu não sei ser bonita e óbvia. Eu não sei andar de mãos dadas, nem abraçadinha e meu pessimismo é do tamanho do mundo. E eu só sei ser fofa quando uso ironias e diminutivos, porque ser verdadeira me deixa boba e aumentativos são sérios demais pras minhas gracinhas. E se mesmo assim você der um passo à frente, é capaz que eu te empurre em vez de me jogar...
"Veja como é lindo a sua cama com outro par, eu volto a ser menino, você não cansa de conversar."

(Jenifer Alana Santos)

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

[TEXTO] Sobre consciência/vozeszinhas

Jurei umas dez mil vezes me esforçar pra não repetir os mesmos erros e cá estou eu refletindo sobre essa minha mania de não falar o que me dá na cabeça.
Recentemente, movida por minha auto crítica resolvi desabafar palavras guardadas - mas quem disse que enviei? De certa forma, houve um alívio, mas aquela vozinha chata fica me lembrando todo dia que eu só vou me livrar quando contar. O problema é que a vozinha não entende que eu tô com preguiça, e que dizer gera perguntas que eu não tenho ânimo pra responder.
A vozinha quer tanto agitar a minha vida que me fez dizer algumas coisas sem nem pensar. O que, adivinha, gerou perguntas, discussões etc etc etc. Tudo pra tirar o meu sossego. Mas até que eu gostei, porque me fez sorrir um pouquinho - e tô esperando o meu muitão.
Às vezes eu me pergunto o que a Tati ia pensar da minha evolução de textos, e se ela poderia me ajudar a saber o que faço, já que agora ela é quase uma mulher resolvida. E se ela diria essas coisas trancadas a sete chaves.
Bom, vozinha, tô esperando meu muitão e minhas respostas, já que você só ta ajudando a atrapalhar. Por favor, não me venha de conversa fiada se não for importante porque to cansada de perder tempo e esteja bem resolvida pra me convencer.

(Jenifer Alana Santos)

sábado, 14 de fevereiro de 2015

[TEXTO] Sobre fila de banco, sol e pessimismo

Acordei, linda maravilhosa de bom humor, mesmo tendo centenas de coisas pra resolver. Um daqueles dias que você acorda vendo o mundo mais colorido e esquece um pouquinho do pessimismo habitual. No fim do dia você só fica se perguntando porque resolveu sair de casa. Sim, o dia vira do avesso.
Você enche a cara de maquiagem, porque quer estar mais linda num dia bom. Você planeja seus horários como um plano infalível. Você esquece que o bendito do universo nunca está a seu favor e PUF.
Pleno dia 10, as filas de banco estão enoooooormes. É fevereiro, o sol parece atravessar todas as camadas da sua pele. Verão, e cai uma chuvinha que não refresca, mas consegue deixar seu cabelo com mais frizz que todas as pessoas no banco juntas.
E no final das contas, você volta pra casa igual uma gata borralheira, toda desmontada, sem resolver porra nenhuma. Essa vida é maravilhosa, não é? Quanto mais a gente se esforça, mais a gente apanha, quanto maior a felicidade, maior a decepção. E o estresse foi tanto que o texto não tem fim. E nem faz sentido.

(Jenifer Alana dos Santos)

sábado, 7 de fevereiro de 2015

[TEXTO] Esperando um arco íris

Três da manhã. A lua parece maior que o normal. E há uma inquietante vontade de sair sem rumo. Os segundos e minutos parecem demorar séculos pra passar, mais perdida do que nunca nesse labirinto. Um filme passa em sua cabeça, revive, quer afogar o passado, quer afogar-se no intuito de escapar do labirinto.
Em meio o som dos pássaros que já acordam, após sua frustrada tentativa de adormecer, flutua ao desistir do afogamento. Não é necessário fugir daquilo que desmorona com o tempo. As lembranças morrem, o amor acaba, a vingança vem sozinha, repetimos os mesmos erros, mudamos de acordo com a necessidade, as luzes que apagam acendem novamente, o coração bate aliviado e os textos não fazem sentido.
Finalmente, após tanto lutar para esquecer, o alívio vem. A voz vai embora, a curvatura da mandíbula é esquecida na deformidade, a conversa não dura e o sol chega, embora saiba que chove em outro lugar.

(Jenifer Alana dos Santos)

domingo, 18 de janeiro de 2015

[TEXTO] Tanto faz

Eu sei que você morre de vontade de chamar ele pra conversar quando vê a foto e o nome dele; também sei que às vezes se arrepende depois de mandar Olá quando vê que ele só estava por ali há horas atrás. Eu sei também que essa vontade não aparece só às 2h da madrugada.
Você se pergunta onde ele pode estar pra não responder você e imagina que talvez ele tenha algo mais importante pra fazer. Você se julga tão pequena e transparece toda insegurança, mas fecha os olhos pras tuas melhores qualidades. Será que ele não vê?
Eu sei que você já prometeu não correr atrás de ninguém, mas ele nem nota, então, por que não perguntar como foi o dia? E é óbvio que você fica imaginando qualquer comentário inútil pra fazer a conversa render porque conversar com ele não pesa tanto como conversar com todos os outros. Até porque ele é ele e os outros são os outros.
Apesar dos dramas e assuntos irrelevantes, ele te leva pra um universo onde promessas e expectativas não existem. Você sabe que com ele não vai se frustrar. Afinal, você não o ama, e se acabar "tanto faz". Que seja bom enquanto dure.

(Jenifer Alana dos Santos)

* Credite se usar, a escritora agradece! *

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

[TEXTO] Sobre sei lá

Eu sei que esse céu turbulento quer dizer que eu fiz coisa errada. Mas eu gosto desse rosinha meio alaranjado e dessa brisa quase inexistente dizendo que me dei novas chances. Eu fico feliz de me deixar levar por algo novo, nem que seja só um pouquinho.
E desde o início era como se eu previsse no que ia dar. Eu torci pra que desse certo mesmo me desencorajando. Eu fico feliz por ter desejado alguma coisa e ela ter acontecido.
Sabe, a vida tem dessas coisas às vezes... Ela te derruba só pra ver se você aguenta porque sabe que você não pode fugir da responsabilidade. Mas do nada ela põe gente na sua vida que faz o papel perfeito pro que você precisa.
E por mais que a minha paciência esteja cada vez menor, eu ainda sei quando algumas pessoas valem a pena. Ou pelo menos espero estar certa dessa vez, e que eu não ignore os sinais - de novo - caso esteja errada. Sabe, ninguém gosta de repetir os mesmos erros.

(Jenifer Alana dos Santos)